A Minha Filosofia

Eu ficarei para sempre com o que disse Zoroastro, grande sábio persa do século VI a.C., que resumiu o que é estar no caminho correto em apenas uma singela frase:

"BONS PENSAMENTOS, BOAS PALAVRAS, E BOAS AÇÕES."

Quero fazer deste princípio o meu viver, incorporar em tudo o que sou a essência desta visão tão simples, para conseguir estar bem com o mundo e comigo mesmo antes de qualquer coisa.

sábado, 2 de mayo de 2009

O Último Voo do Falcão

Olá a todos. Gostaria de compartilhar com os meus leitores e amigos, uma história que eu acabo de conhecer. O autor é Parviz Natel Khanlari, um intelectual e escritor iraniano. Khanlari nasceu em 1914, e morreu em 1991 e foi um dos escritores mais lúcidos da literatura persa moderna.

   No Irã, é muito apreciada esta história sua, que eu acho que fala um pouco a cada um de nós:

"Em busca de uma presa, um falcão sobrevoava uma planície. Sentindo-se forte e ameaçador, pois que enxergava e dominava todas as coisas.
Uma flecha veio, então, a atingi-lo. Fora atirada por um caçador escondido. O Falcão ficou ferido de morte, sentindo o fim próximo, não conseguindo mais bater as asas, que se fecharam.
Ao cair, ele olha a flecha que o trespassava e vê que a empenagem daquela cruel flecha era feita de penas de falcão.
Foi assim que disse antes de morrer: "De que adiantaria me lamentar? O que vem a nós, vem de nós."


Até que ponto uma pessoa é culpada, ou inocente, por aquilo que lhe acontece? Gostaria de saber o que é que devemos fazer connosco antes que tenhamos que decidir o que fazer com aquilo que fazem de nós. Se não fizermos o melhor, sucederá o pior, mas, o que é o melhor a fazer? Nosso poder de escolha parece tão limitado...

26 comentarios:

Nadezhda dijo...

"O que vem a nós, vem de nós."

Não sei em que ano ela escreveu, mas se tivesse escrito há 200 anos, ou daqui a 100, serviria para a humanidade da mesma forma.

;)

A Flor do Sul dijo...

Eu também penso exatamnte da mesma forma.
C'est la vie. Sommes nous.

Francisco dijo...

Sempre acreditei que tudo aquilo que lançamos no Universo, retornará à nós da mesma forma. Ou seja, como Bem ou Mal!
Um grande abraço.

Flor dijo...

Ted conheci porque você ficava logo acim de mim. Quer dizer, não tea conheci (ainda), eu te vi.
E gostei da sua casa. Tô lendo ainda pra te "conhecer", mas já gostei do nome: A FLOR DO SUL!
Por que?

Beijo grande, Hakim.

Sonia Schmorantz dijo...

Belo poema escreveu no comentário! Minha inspiração também tem momentos, mas para escrever, quanto a ler, aprecir e divulgar minha disposição não acaba nunca, amo isso...
Obrigado e tenha um lindo domingo

Érick Delemon dijo...

Hey, obrigado pela recepção amistosa! Passei por aqui mais uma vez e dei uma geral no blog, esse post e outros fizeram-me ver que você era um bom indicado pra receber um selo. Passe lá depois e pegue!

Abraços
_______________________
Blog do DelemonLado B de um disco Trash

Sofi ♪♫ dijo...

Jejeee muchas gracias por la traducción!
La verdad es que son hermosas esas líneas :)


Besos!!!

:)

lumenamena dijo...

Quando somos atingidos de uma forma cruel e, queremos a todo o custo saber se somos culpados ou inocentes, olhamos para nós e para tudo o que vem de nós.
A natureza das coisas exige uma ordem na humanidade, isto deveria servir para todos nós.

Flor dijo...

Não gosto muito do destino,hauhauhauah,mas que a sorte venha acompahada de muito sucesso,beijos e agradecida por sua presença no subentendido,valeu.Ah!blog show...

Fernando Leroy dijo...

Sensacional! me identifiquei muito com a história! abraço!

A Flor do Sul dijo...

Ah, esqueci de dizer que esta última frase do Falcão, de que "o que vem a nós, vem de nós", de tão acertada, acabou se tornando um provérbio popular no Irã.
Em persa, é assim que se diz: "Kê az mast, kê bar mast".

Au revoir a tous, e je vous embrasse.
Hakim

rogerio franco dijo...

Na verdade, aquilo que alguns, com mentes de mal, fazem com as "penas" que vêm de nós, não é culpa nossa. Um invento, uma ideia, ou algo importante para o bem, também pode ser usado para o mal. A culpa não é nossa. Nunca deveremos deixar de gerar "penas" necessárias para o "voo", só porque temos receio do mau uso que alguns doentes lhes irão dar, mesmo que essa "pena" um dia nos venha a acertar. É esta coragem de alguns que dá origem a sociedades mais fortes. Concerteza que Khanlari pensou nisto e na sua vida de coragem e luta contra a injustiça quando afirmou "de que adiantaria me lamentar?". Ela foi um bom exemplo de inspiração.

CLAP!CLAP!CLAP! dijo...

Grato pelo momento fluido.
Clap

A Flor do Sul dijo...

Ao Rogério Franco:

Caro Rogério, quando escreveste o teu comentário, logo me lembrei do caso do Santos Dumond, que inventou o avião, criou uma máquina que seria, em tese, apenas para o desenvolvimento da humanidade, mas que serviu, com o uso que dela fizeram alguns, para fazer mal a seres humanos... Dizem até que foi por causa dessa dor que ele suicidou-se.
Não sei o que faria no lugar dele, se é que me posso comparar a tão nobre e talentosos homem que foi Santos Dumond. Talvez eu não me matasse, pois jamis teria coragem, mas saberia que não poderia controlar o ritmo dos acontecimentos. Seria ilusão. Não sabemos o que virá com o futuro, só sabemos que o futuro virá. Devemos tentar nos preparar bem para enfrentá-lo.
Estava lendo num blogue que "a dor é inevitável, o sofrimento é opcional", coforme dizia Crlos Drummond de Andrade. Concordo. Podemos fazer da dor uma ferramenta para a felicidade, ou enfrentá-la, ou fazer qualquer coisa, mas jamais deixá-la fazer conosco aquilo tudo que ela pode fazer.
Se alguém me leu, eu agradeço a atenção.

Quero estar com você dijo...

Amigo, saudades tuas também sinto.

Não é discordância, mas nosso "poder de escolha" é mais amplo do que possamos imaginar...

Sabes que o homem evoluído constrói sua própria alma, não sabes?

Obrigada por me visitares!

Valdemir Reis dijo...

“Amigo é coisa pra se guardar...” Como diz o poeta. Amigo Hakim aqui de volta ao seu belo espaço para agradecer de coração sua gentileza em nos honrar com a sua visita e valoroso comentário. Saiba que muito nos fortalece, sua presença é sempre agradável e especial. Obrigado mesmo.... Apareça sempre lá! Confesso que admiro bastante o seu trabalho, parabéns pelo tema publicado “O último voo...”, ótimo texto, precioso e interessante, grande lição. "O valor das coisas não está no tempo em que elas duram, mas na intensidade com que acontecem. Por isso existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis". Fernando Pessoa. Encontrar-nos-emos sempre por aqui. Felicidades. Desejo uma semana repleta de realizações e de muito sucesso, muita paz, saúde, brilhe sempre, bênçãos, proteção e alegria. Que a luz divina oriente e ilumine o nosso caminhar... Um forte e fraterno abraço.
Valdemir Reis

VANUZA PANTALEÃO dijo...

Hakim, como aprecio a Cultura Árabe!
O Irã (ou Iran), muçulmano ou ainda no seu passado Persa, Zoroastro, os Magos, por quanto tempo me debrucei sobre mapas e histórias orientais? Por quanto tempo? Nem mesmo eu sei...

Como diria o famoso orientalista alemão, Hermann Hesse:
"Melhor se deixar levar como as nuvens..."

Escolha???

Dan dijo...

escape das armadilhas da inconsciência, pense, tire uma soneca, dê tranquilidade ao seu coração...
Serenidade deixe o copração pensar, aquilo que vai vem entra prá sair de nos por nos é assim...

_Gio_ dijo...

Aqui se faz, aqui se paga... Tudo o que vai, volta... Interessante como o ser humano tem várias formas para dizer a mesma coisa: tudo o que fazemos tem um reflexo em nós mesmos.

Mas mais interessante se torna essa frase, que afirma que o caminho inverso também é verdadeiro: "O que vem a nós, vem de nós". Tudo o que nos acontece, é reflexo de algo que fazemos.

Estamos presos em nossas próprias ações. Estamos regidos pela lei do Caos... mas nós controlamos este caos. Somos donos de nosso próprio destino.

glória dijo...

tudo que subjaz no mundo é feito de uma matéria mesma, mesmo que aparentemente nenhum traço ou lastro estabeleça fios de entrelaçamento. a vida que nos concederam traz em seu curso os caminhos e passagens da morte. tudo se une, esse é um princípio da Gaia. talvez nào se trata de inocência ou culpa, se trata da percepçào de que tudo s einterliga. a pena que promove a liberdade é a mesma que interrompe o vôo. muito bom post. bj

Max Vozes dijo...

Brilhante post, amigo.Quase tudo já foi dito aqui por você e por seus ótimos visitantes. Leio e aprendo sempre. Obrigado por mais essa peça da cultura iraniana!

shintoni dijo...

Abdoul:
Valeu a poesia que você deixou lá no Duelos Literários!
Muito bonita!
Já está postada!
Seja bem-vindo e volte sempre!
Um grande abraço!

Eärwen Tulcakelumë dijo...

Gostei muito do post.

Pérolas incandescentes de inspiração e luz aqui deixo, agradecendo tua estada em meu mundo.

Eärwen

railer dijo...

a gente colhe aquilo que planta...

obrigado pela visita ao blog!
abraços

Daniel Savio dijo...

Cara, nem tudo o que passarmos tem origem em nós, mas com certeza, o que semeamos volta para nós...

Fique com Deus, menino Hakim.
Um abraço.

Anónimo dijo...

What interesting question