A Minha Filosofia

Eu ficarei para sempre com o que disse Zoroastro, grande sábio persa do século VI a.C., que resumiu o que é estar no caminho correto em apenas uma singela frase:

"BONS PENSAMENTOS, BOAS PALAVRAS, E BOAS AÇÕES."

Quero fazer deste princípio o meu viver, incorporar em tudo o que sou a essência desta visão tão simples, para conseguir estar bem com o mundo e comigo mesmo antes de qualquer coisa.

jueves, 1 de octubre de 2009

Vinho...


Nunca fui de beber muito, e na verdade não fiquei bêbado nenhuma vez na época em que eu bebia.Cerveja eu não costumava beber, e cachaça acho que nunca nem experimentei (não deu tempo!). Bebia vinho Palmeiras de vez em quando, tinto.

Uma semana antes de sair de São Paulo e ir para Buenos Aires, eu estava muito triste, e tinha acabado de terminar um relacionamento de um ano e 16 dias. Aí resolvi beber mesmo! Foi no mês de maio, num dia em que o Palmeiras jogou, eu me lembro. Encontrei um gordinho hétero "por aí" e passei a noite com ele. Bebemos até ficarmos de fogo - coisa que ele já estava. Eu fui com ele no bar, lá mesmo, no Bexiga, centrão. Eu comecei a chorar, tudo aquilo...
No fim, ele pediu dinheiro e acabou por levar o meu telefone sem que eu me desse conta, e o pior de tudo, não fizemos nadinha! Ainda por cima, eu criei coragem para ir na casa do ex, topei com ele e o outro e fiz o maior barraco. Gritei coisas absurdas, chamei ele de assassino! Todo mundo ouviu e todo mundo viu quando eu quebrei a porta do lugar! Ele tinha matado a minha alma, era um assassino!
 Chamaram a polícia, mas eu fui embora antes dela chegar (morrendo de rir da minha ousadia!).Na verdade eu queria saber já fazia tempo, se quem bebe se esquece ou não. Eu me lembrei de tudo no dia seguinte, quando cheguei atrasado no trabalho...
Bem que tentei ligar pro Marcelo, o gordinho sacana da noite anterior, no trabalho dele, uma distribuidora de revistas. O patrão me atendeu e foi super grosseiro: "Ah, quer dizer que primeiro ele te comeu e depois te roubou, né viadinho?" Eu morri de raiva, mas me controlei para não mandar ele tomar naquele lugar, e só falei assim: "Não, nem isso ele fez"(risos).
  •  Agora, eu continuo sem beber. Entendo o Alcorão quando ele proíbe o consumo de álcool, afinal o álcool é um problema social, e tem tantos males que ele causa às famílias, aos indivíduos aos que estão próximos! Mas também entendo quem bebe para se consolar dos problemas, ou mesmo para ficar mais descontraído.Só não sei se é mesmo verdade que beber faz esquecer, acho que é porque a minha embriaguez não foi profunda. Os meus poetas favoritos, como Omar Khayyám e Hafiz, escreveram páginas inteiras louvando o vinho, e eram muçulmanos! Às vezes eu tenho vontade de beber, sabe... escondido, para ninguém ver, sozinho no meu quarto, mas tenho medo de acabar gostando e me viciar.
Para quem deseja obter mais informações sobre o alcoolismo, aqui vai uma sugestão de site (em francês): http://www.infirmiers.com/etudiants-en-ifsi/cours/cours-psychiatrie-alcoolisme.html
Em português, e mais sucintamente, a Wikipédia tem um óptimo artigo, que engloba inclusive a história do álcool através dos tempos: http://pt.wikipedia.org/wiki/Bebida_alco%C3%B3lica
Boa leitura a todos.

16 comentarios:

Daniel Savio dijo...

Cara, eu realmente não suporto beber por causa do alcool...

O máximo que consegui tomar sem odiar foi Ice...

Cara, não liga para os babacas que te aporrinham, ok?

Fique com Deus, menino Hakim.
Um abraço.

Wanderley Elian Lima dijo...

Meu amigo, o problema não é beber, é saber beber. Saber a hora que tem que parar para não acabar tendo problema. Eu bebo e gosto, mas a bebida nunca me fez comportar de modo inconveniente.
Um grande abraço

Cor de Rosa e Carvão dijo...

Hakim, um simples post e pronto! Surgiu a inspiração. Que legal que a minha latinha de ceva serviu para algo além de risos. Hehehehe.

Eu adoro beber. Na minha casa sempre tenho alguma bebida alcoolica. Aqui em Videira, é a capital da uva e do vinho em Santa Catarina, temos boas produções. Confesso que esse vinho que tu falou eu não conheço, mas esse São Tomé talvez tenha visto em alguma cantina, se for vinho de mesa. Eu prefiro os finos, que são mais leves. Ou então os coloniais, que também são saborosos e leves. Espumante então, é a minha bebida preferida.

Dos destilados, adoro tequila. Aqui peguei o gosto da caipira de estanheguer. E depois que me mudei, e vi que tinha uma laranjeira no quintal, Hi-Fi virou meu drink predileto para ocasiões rápidas.

Já bebi muito, até cair na adolescência. Sem motivo aparente, além de ter perdido o controle. Vomitei, levei xingão da mãe e passou. Hehehe. Já bebi um pouco menos e não esqueci nada. Tb não entendia quando isso acontecia com outras pessoas, até que uma vez, duas aliás, perdi a lembrança de momentos anteriores até que em conversa com uma amiga [a mesma nas duas ocasiões], me veio flashes a memória. Mas é algo ligado ao nosso subconsciente. Coisa brava querido, ui... Nem Freud explicaria. Hehehehe.

Enfim, eu saio para beber toda a semana com os amigos aqui da cidade. A gente conversa, desabafa, ri, conta piadas, paquera, debocha, falamos mal, bem, tudo regado a cerveja gelada.

Mas já que tu não bebe mais, e nunca foi tua vontade, não força. Dá para fazer as mesmas cosias sóbrio ou sem o uso delas.

* * *

Hakim, que bom tu ter comentando lá no Jornalismo - Vida e Morte. Eu adorei fazer aquela matéria. Confesso que são costumes dificeis de entender, como dizes, para quem vive fora da comunidade, mas o sheik me explica tudinho, várias vezes, quando preciso.

Pensei que havia entendido bem esse lance de sionismo. Não conhecia o movimento. Ele me falou de uma forma que o uso do véu e o movimento [entendi como social] estava ligado ao islamismo. Bem que vi que era muita informação sobre uma cultura tão complexa para eu assimilar de uma só vez. Hehehe.

A foto fui obrigada a pegar da internet, pq agora não tenho mais câmera. Mas, para o jornal usei uma foto de uma egipcia que estava aqui na cidade. Ela estava em frente ao espelho já vestida e usando o Rijab.

Também gostei da tua explicação sobre o Halal. Tb fiz uma matéria sobre os degoladores muçulmanos, logo que cheguei aqui em Videira, berço da Perdigão, em 2006. Q coincidência tu ter a mesma atividade...

Se tivesse falado contigo antes, teria dado uma outra linha para essa matéria. Mesmo assim, na época, o negócio movimentou o coreto aqui. hehehehe.

Bjo querido.

p.s.: tu não exagerou não, mas caso ainda pense que sim, creio que tenha me vingado. hua hua hua.

Pensamentos Dhumór dijo...

Adoro tudo aquilo que vc escreve!

Lumenamena dijo...

Hakim,

Podemos perfeitamente entender a atitude de uma pessoa que se embebeda até cair para esquecer as suas mágoas, mas nem sempre podemos concordar com isso.

Um estudo realizado pela Universidade de Auckland, na Nova Zelândia, aponta que beber de um a dois copos de vinho por dia, ajuda a memória e pode, inclusivé, funcionar como tratamento para pacientes com o mal de Alzheimer.
Níveis de baixo consumo de álcool estimulam a memória neutra, como a lembrança de pequenos detalhes ou objectos esquecidos. E mais, o estudo ainda indicou que o alto consumo de bebidas alcoólicas não causa esquecimento, como é defendido pelo senso comum.
Segundo os cientistas, o que se diz de beber para esquecer o que fez, nunca foi a realidade. Porém, o consumo elevado de drinks, tráz à superfície memórias negativas.
Outro estudo ainda, realizado pela Universidade norte-americana, aponta, que mulheres que consomem mais de três doses de bebidas alcoólicas por dia, inclusivé vinho, aumentam as chances de apresentar câncer da mama, em 30%. Sugundo os estudiosos, o alto consumo de bebida, tem a mesma acção que um pacote de cigarros.

Abraços,
Lumena

Byanka dijo...

HAHAHAHA'
Realmente engraçado, mas bem real. =]
Quando eu bebia - também nunca fui de ficar bêbada a ponto de não me lembrar- mas por via das dúvidas, por ser tão paranóica, sempre que eu chegava em casa meio "alta" e sentava em frente ao computador e escrevia tudo o que eu me lembrava, porre mesmo.
No outro dia conferia as versões pra ver se batiam com as minhas. =]
Depois de um tempo, quando eu aprontei algo deveras sério, eu decidi que era hora de parar, além do que, não era esse o rumo que eu tinha planejado pra minha vida. ^^'

Às vezes, quando eu tenho um problemas, decepção, algo do tipo, penso em beber, mas acho que esse tipo de pensamento é meio clichê e me faz pensar em fraqueza.
Não posso resolver meus problemas com álcool. =)

Adorei o tema.

Pensamentos Dhumór dijo...

estou passado com esta historia rsrsr mais achei bem engraçada principalmente a parte que vc foi embora antes da policia chegar rsrs
vc é uma figura mesmoooooooo
beijos te adoro saudades
tenha um lindo fim de de semana

Pâm dijo...

Nossa, essa coisa de alcool realmente é um problema. Eu conheço muita gente que bebe pra afogar as mágoas ou coisa do tipo, eu principalmente já cometi esse erro uma vez; mas na hora, a pessoa só quer dar um jeito de esquecer aquilo, só que elas não pensam que é uma maneira errada. E o problema é quando você começa a beber, e depois isso vira vicio. Então, já vira um problemão.
O negócio é beber com moderação, pra no máximo ficar um pouco 'alegre'.

Adorei teu texto e a história.

To te seguindo :)
beeijo

Adbul Hakim Phool ka Junoobi عبد الحكيم پھول کی جنوبی dijo...

O que seria de mim não fosse o carinho de vocês?
Tive uns probleminhas com a minha conexão da internet desde já faz dois dias, e talvez ainda tenha um pouquinho amanhã, mas assim que puder, volto às páginas de todos.
Vale a pena saber o que vós pensais, e quero visitar-vos.
Até.
Beijos da Flor.

_Gio_ dijo...

Não sabia que tu tava te recuperando de um relacionamento naquela época.

Álcool certamente pode fazer mal, se usado de maneira inadequada. Já fiquei bêbado sim, mas conto essas vezes na mão. E, além do mais, bebo o que gosto, e nunca para ficar bêbado.

As vezes que fiquei bêbado geralmente foram por um estado de euforia, comemorando alguma coisa - o que é um contraponto ao fato de beber para esquecer.

Falando em esquecer, nunca tive ressaca, e quase nunca esqueci de algo quando fiquei bêbado. O "quase" vai para a penúltima, onde eu tenho um lapso de dois minutos entre o tempo em que eu usava banheiro, e o tempo em que sentei no chão. De resto, tenho memória fotográfica.

Amigos meus já me disseram que esqueceram de coisas que fizeram enquanto bêbados - horas inteiras, atos inteiros, e não simples minutos. O auge foi um que acordou e pensou "Que mulher é essa? Que casa é essa? Nossa, tô atrasado pro trabalho!"

Acontece...


Ps.: Hakim, tem selos pra ti nas postagens de quarta e quinta passada. Aceite-oe=s com carinho :D

Adbul Hakim Phool ka Junoobi عبد الحكيم پھول کی جنوبی dijo...

Gio!
Saudades tuas. Pois é, naquela época eu estva me "recuperando" de um relacionamento, sim. Claro que essa recuperação é entre aspas, pois dura até hoje.
Mas tudo ok, é a vida.
Sobre o àlcool, fico feliz em ter amigos na internet que me ajudaram a solucionar esta dúvida. Parece que a bebida não faz mesmo esquecer as coisas, pelo menos para a maioria das pessoas. Agradeço especialmente a ti, à Rosa e Carvão, e à Lumena.
Vou aceitar os selos sim. É um gosto poder reencontrara todos vós. Espero que um dia eu possa conhecer de perto todos vocês. Se Deus quiser.

Cor de Rosa e Carvão dijo...

Querido, seu desejo é uma ordem! Hehehe. Adorei a parte do turbinada, hehehe. Iria adorar conferir a feira do livro de vocês, mas, esse é o mês do meu aumento e preciso pagar umas continhas atrasadas. KKKK. Vamos combinar nosso encontro guri. Olha meu email aí: corderosaecarvao@yahoo.com

marcelo dijo...

Saludos amigo,siempre una alegria que pases por mi Blog..Shalom

Anónimo dijo...

Me encanta la manera que vos misturá los temas personales con las otras cositas de la vida.
Saludos de la Loca }] y te espero en mis posts+++++++++++++++++

Se o "se" não tivesse ficado só no "se" dijo...

Rá, eu sempre esqueço.

Anónimo dijo...

Eu bebo diariamente um cálice de vinho tinto por noite desde abril de 2006, pois faz bem para a saúde. Acredito que o importante é conhecer o seu limite, pois o excesso de álcool é de fato muito nocivo.

Parabéns pelo blog mon ami Hakim,
Á bientôt
Charles