A Minha Filosofia

Eu ficarei para sempre com o que disse Zoroastro, grande sábio persa do século VI a.C., que resumiu o que é estar no caminho correto em apenas uma singela frase:

"BONS PENSAMENTOS, BOAS PALAVRAS, E BOAS AÇÕES."

Quero fazer deste princípio o meu viver, incorporar em tudo o que sou a essência desta visão tão simples, para conseguir estar bem com o mundo e comigo mesmo antes de qualquer coisa.

lunes, 3 de mayo de 2010

Para onde deve ir a Arte?

 Boa tarde. Acabo de ler na secção Culture da edição electrónica do Le Monde um artigo sobre objectos de arte "roubados" ao redor do mundo. É um tema interessante este, tendo em vista que envolve o património cultural de toda a Humanidade, independente da origem das obras. Porém, de longa data há uma polémica a envolver o lugar onde cada peça deveria estar, se em seu país de origem ou nos que primeiro expuseram a obra em museus e galerias ou que a compraram.

 Resolvi traduzir para o nosso idioma o texto, pois está num ficheiro (arquivo), e portanto não se pode visualizar traduções para outras línguas através do Google (pelas Ferramentas de Idiomas, sistema que permite verter para qualquer das 50 opções disponíveis sítios da Internet que estejam num idioma que não é o teu). Eu uso bastante as Ferramentas, e inclusive elas foram de grande ajuda agora, pois meu francês infelizmente ainda é de nível básico (risos). As fotografias ilustrativas não são do artigo do Le Monde (que vós podeis ver aqui), porém referem-se às peças citadas no texto. Boa leitura!

 DAS CABEÇAS MAORIS AO BUSTO DE NEFERTITI, A DIFICULDADE DE RECUPERAR OBRAS DE ARTE "ROUBADAS"
  
 A batalha pela restituição de obras de arte "violadas", na qual a França é tida como persona non grata, deu um grande salto esta quinta-feira, 29 de Abril. O Parlamento Francês mostrou unanimidade ao aprovar a devolução de seis cabeças maoris à Nova Zelândia.

A proposta de lei, iniciativa dos centristas, já tinha sido aprovada em Junho no Senado. Quinta-feira, todos os partidos anunciaram seu parecer positivo e não modificaram o texto, que portanto deverá ser ratificado em Assembleia solene nesta terça-feira.

Numerosos museus americanos, australianos e europeus já tiveram e restituíram as peças - cabeças mumificadas e esculturas -, e a França até agora era uma excepção, com sete ou oito delas no Museu Quai Branly (Paris), e algumas mais em museus das províncias (interior do país). O texto também visa facilitar, no futuro, o procedimento de entrega a seu país de origem de obras de arte por ele reclamadas.

  No começo de Abril, uma vintena de nações reunidas no Cairo para uma conferência internacional sobre a devolução de obras artísticas roubadas estabeleceu uma listagem de prioridades. Apenas nela, o Egipto demanda o repatriamento do seis peças, onde está incluído o busto de Nefertiti, esposa de lendária beleza do Faraó Akhenaton, actualmente exposta em Berlim.

 Igualmente, o Cairo solicita a devolução da Pedra de Roseta (Londres, na foto abaixo, à esquerda), do Zodíaco de Denderah (Paris), do busto do dignitário Ankhaf (em Boston, Estados Unidos), da Estátua de Hemiunu (Hildesheim, Alemanha) e duma estátua de Ramsés II (Turim). 

 O Zodíaco de Denderah (acima, à direita), havia sido "emprestado" a Napoleão Bonaparte durante a campanha que este empreendeu no Egipto. Em uníssono, os países presentes na conferência do Cairo tentaram dar um passo à frente em décadas de negociações bilaterais.

 A Grécia, a seu turno, reivindica o retorno dos frisos do Pártenon que estão no Museu Britânico. Atenas vem lutando por isso há trinta anos junto ao governo do Reino Unido.  Já o Peru quer de volta colecções provenientes da cidade inca de Machu Picchu, presentes no museu da universidade americana de Yale, bem como objectos têxteis e de cerâmica da Cultura Paracas exilados na cidade de Gotemburgo (Suécia). 
 
  Mesmo a Nigéria tem reivindicações; os nigerianos criaram uma listagem que compreende nomeadamente  uma máscara da Rainha Idia (na fotografia ao lado), hoje no Museu Britânico, e uma cabeça de bronze de Olokun, que pode ser encontrado em Frankfurt (Alemanha).



ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº


 O que vocês acharam do texto? E da tradução, ficou boa? 
 Na minha opinião, sobre este que é um assunto controverso, creio que deve haver negociações e examinar-se seriamente onde estarão expostos os bens que fazem parte do património mundial de todos os povos. Alguém, afinal, ainda lembra dos gigantescos e catastróficos saques que ocorreram nos museus de Cabul e de Bagdade? Quem pôde cuidar de todas aquelas antiquíssimas e valiosas peças, de povos que não mais existem, mas que até hoje fazem parte da nossa história? Aposto que se estivessem em Paris ou em Londres, dificilmente uma espoliação bandida, tão escancarada, teria ocorrido! Porém, esta é uma opinião particular minha, e este espaço está aberto a discussões, porque não dá para negar que muito do que está fora de seu país de origem, foi fruto de usurpações descaradas também, ou de aproveitamentos injustos. Quem quiser se manifestar está autorizado.


 Pessoal, antes que eu me esqueça, recebi do Visão, um novo amigo da blogosfera, o Prémio Dardos. Muito obrigado! Trata-se de um selo que promove a amizade entre blogueiros, a  incentivar a liberdade que a Internet concede de divulgar ideias e pensamentos de cada pessoa, desde que com inteligência e estilo. Pode pegar quem sentir-se tentado em fazê-lo. É para todos os que visitam A Flor do Sul e contribuem para o seu crescimento. Estou a recomeçar minha vida activa aqui neste espaço, e agradeço o apoio de todos. Au revoir!

17 comentarios:

Insana dijo...

Forte suas palavras..

Bjs

Insana

Visão dijo...

Onde as obras podem permanecer seguras? Para mim, élá que elas deveriam estar.
E vc merece o prêmio. Bjs

Mari Amorim dijo...

Olá!!
Hoje eles hão de consagrar
O dia inteiro pra se amar tanto
Ele, o artesão
Faz dentro dela a sua oficina
E ela, a tecelã
Vai fiar nas malhas do seu ventre
O homem de amanhã.
Chico Buarque
Excelente semana,boas energias!

Mari

Debor@h dijo...

Amigo do peito,

Eu mais uma vez aqui, ontem passei mas não tive tempo de deixar comentário. Tenho certeza que seu Francês é bem melhor do que vc diz e como é inteligente logo logo saberá fluente o idioma. Beijos carinhosos meus! :-D

Abdoul Hakime Goul Djounoubi dijo...

Merci beaucoup, Deborah!

Olha, o meu francês por enquanto é mais ou menos, sim, porém eu espero um dia poder estudar o idioma e dominá-lo no mínimo satisfatoriamente. Tomara, pois francês além de chic é lindo! grato pelo incentivo.

Je suis content d'avoir votre présence ici chez moi. Returnez!

Paulo Braccini dijo...

penso que o local correto é sempre em suas origens ... mas enfim ... nem sempre são seguros não é mesmo? então, realmente fica complicado ...

bjux querido amigo

;-)

Debor@h dijo...

Uau não tinha prestado atenção que vc tinha escrito em vários idiomas a frase de abertura dos comentários, até em Hebraico haha, adorei!!!

Amigo, vim dizer que vc já pode buscar seu avatar e seu nome para o Sac se ainda estiver interessado e qd estiver pronto para começar me avisa e eu te passo a senha para vc poder escrever lá. Beijos mil.

Ps- Adorei seus comentários em meus blogs hoje, obrigada pela atenção, não precisava mas fico grata. Neshika Gdola! (Beijo grande)

Desarranjo Sintético dijo...

Bom, achoq ue para ler o LeMonde, seu francês já e bem bom rsrsrs... Achei ótima a tradução e muito interessante o texto. Creio que os patrimônios devem mesmo ser da humanidade, mas acredito ser de vontade, até mesmo do artista, que os obras permaneçam do país de origem. Creio que entre os países europeus citados e alguns outros não tem a necessidade de não devolver, afinal estarão seguros, agora no caso de outros países há de se analisar pois não adianta devolver as obras e elas serem roubadas. Existem muitas figuras no seu blog pesadas? Sempre encontro dificuldade e lentidão para entrar aqui, as vezes tranca...

Abraço.

Fábio.

Paulo Braccini dijo...

kkkkkkkkkkkk ... não queimarei minhas pestanas e antes que vc incendeie meus pentelhos corrigirei minha falha ... pronto falei ... kkkkkkkkkk

bjux

;-)

Majoli dijo...

Boa tarde Abdoul, vim agradecer tua visita ao meu blog e conhecer um pouquinho do seu.

Não posso dizer sobre a tradução, pois pouco sei da língua francesa, apesar de achá-la belíssima.

Mas o texto ficou ótimo, deu pra entender perfeitamente, gostei muito de te ler.

Parabéns pelo Prêmio Dardos.

Tenha uma boa noite.
Beijos.

Paulo Braccini dijo...

Conheces o verbo Pentelhar? eim? eim?

Eu Pentelho
Tu Pentelhas
Ele Pentelha
Nós Pentelhamos
Vós Pentelhais
Eles Pentelham ...

kkkkkkkkkkkkkkkkkk

Entonces estão lá os 10 indicados ...

Te adoro Guri

bjux

;-)

LUmeNA dijo...

Olá Hakime!,

Instigante o teu texto, e está muito bem traduzido. Teu francês já é bom!

Em relação às peças de arte saquedas, penso que deviam ficar nos seus países de origem, mas como algumas já estão em França e Inglaterra, penso também, que estejam seguras. Agora, a decisão de outas obras de arte, em que os seus países andam a reclamar, penso também que devem ser cedidas aos mesmos.

Nós, portugueses, tínhamos o país cheio das riquezas do comércio que a nossa presença nas terras do Brasil, da África, da Arábia, Pérsia, Índia, Ceilão, Malaca, Cebú, China e Japão granjearam. As tropas napoleónicas quase tudo saquearam. O que se salvou fora o previamente escondido.

Cuba tem problemas como todas as naçòes que foram vitimas do saque das grandes potencias, especialmente vitimas da pirataria inglesa, francesa e americana no Mar do Caribe.

Abraços,
LUmeNA

Paulo Braccini dijo...

Água mole em pedra dura tanto da [ui] até que fura [ui ui] ... rs ... perdão pelas brincadeiras por aqui meu querido menino ...

bjux

;-)

Enrique Coimbra dijo...

Arrasou no conteúdo. Meus cabelos são naturais, mas sei o nome da cor: louro-bronze. E obrigado pelos elogios! Você não fica pra trás.

Nathi Delacroix dijo...

Aaaah, a arte!

Parabéns! ;*

Daniel Savio dijo...

Hakime, para mim é um assunto complicado, pois realmente cada artefato teve uma história para o se descobrimento, pois muitos foram furtados, outros foram frutos de escavações que envolveram gastos...

No caso dos "furtos", o melhor seria se fossem devolvidos, no caso das peças escavas, que fosse feito uma posse compartilhada, na qual sei meses ficaria num pais descobridor e seis meses no pais de origem...

Ficou um bom texto na minha opinião.

Fique com Deus, menino Hakime.
Um abraço.

Athena dijo...

Oi!!!

desculpa ter pensado que eras árabe. Eu tinha noção de tuas raízes persas, porque falas bastante da Pérsia, mas eu ainda acho meio confuso muitas das questões relacionadas com o médio oriente e essa de ser-se árabe ou não, é uma delas. Como vês, sou quase ignorante nestes temas! Por isso, terei todo o prazer em conhecer o Zoroastrismo (se escrevi mal, peço desculpa). Olha meu mail e msn é margui1980@hotmail.com, podes comunicar comigo à vontade.

Achei este artigo mto interessante. Pessoalmente, julgo que todos os objectos pertencentes a um determinado povo ou cultura, devem sempre permanecer no seu local de origem. Mesmo por respeito a esses povos! Afinal, esses objectos fazem parte da história do país, são parte da sua herança. Acho lamentável, por exemplo, irmos ao berço da civilização grega e constatarmos que, uma boa parte do que vemos são cópias, porque os originais estão em Londres! Haverá sempre a possibilidade de roubo, é certo. Mas mtas das peças que hoje estão nos EUA, França e Inglaterra, só lá estão porque foram roubadas dos seus locais de origem! A possibilidade de depois de devolvidas, virem a ser roubadas é um facto mas, julgo que os próprios países têm a obrigação e a responsabilidade de tomar medidas sérias, para que tal não aconteça. Mas enfim, esta é apenas a minha opinião, não sou propriamente especialista no assunto.
Li o original no francês e, apesar de não ser fluente na língua e andar meio destreinada (fui forçada a deixar as aulas, por questões monetárias) acho que ficou bom, pelo menos, conseguiste transmitir a mensagem correctamente! Qualquer dia, ficas expert no francês ;)

Acho que teu desejo de vir para Portugal se concretizará em breve. Tenho certeza que a lei será publicada em breve. Porque, mesmo que o PR a vete, ela volta ao parlamento e é aprovada! E aí, já não se volta atrás. Depois é só esperar a sua publicação em diário da republica e entrada em vigor! Já não deve faltar mto ;)! Desejo-te mto boa sorte e felicidades com teu amor e espero que sejas feliz aqui em Portugal. O país, apesar da grave crise e de alguma preconceito misturado com ignorância, fruto de tantos anos de salazarismo, continua a ser agradável para viver e tem coisas mto belas para visitar!

Ps. Mto bom gosto o teu! Todos os artistas portugueses que mencionastes são de facto GRANDES!
Olha o meu distrito não é Aveiro, mas sim Viseu! O google é que nunca acerta com a minha localização, mas tb não entendo porquê.

Um abraço e tudo de bom